Desfolhada

Os textos que nunca tinha tido coragem de escrever... © Reservados todos os direitos de autor dos textos e poemas

segunda-feira, fevereiro 06, 2006

Alma louca


Two hearts, Carolyn Quartermaine

Eis-me de novo
refazendo percursos
deusa do meu destino vou
pela estrada de tijolos alaranjados
alcatifando de relva o meu caminho
cosendo feridas com linhas de amor
desenhando corações abençoados

aqui sinto as pancadas
agradecida pelo espaço de tempo
entre o nascimento e a morte

entusiasmada de paixão
lambo-te em pepitas de chocolate
eis-me de novo na encruzilhada
entre o acanhamento e a devassidão
fundida nesse abrir de joelhos

o corpo em movimento
as mãos fechadas no suor
da tua pele em meu corpo
a alma louca

33 Comments:

Blogger Alma Minha said...

Lindo!!!
Boa semana!

4:06 da tarde  
Blogger wind said...

Mais um belo poema "achocolatado":) Linda tela;) beijos

4:41 da tarde  
Blogger polittikus said...

Cada um de nós constroi o nosso caminho de doces ou não...

11:25 da tarde  
Blogger Paola said...

Alma aliviada,
quando se escreve tudo flui a um rumo sem fim
desejos incontidos
despertam a uma luz profunda
escrever é a melhor coisa que o ser pode
inventar.....

Obrigada por sua visita no Aloha

beijos

PAola

12:04 da manhã  
Blogger José Félix said...

do corpo em movimento
da tua pele em meu corpo

betty

do arco do teu gesto
filoctetes dispara
a seta sobre zéfiro

e no vazio incesto
oh minha irmã, repara
é tudo um amorífero.

não sendo este meu texto
a garra a letra fera
é o meu amor sincero.

na gratidão, modesto
na minha voz austera
o sal silêncio de hera

é o desejo liberto
do corpo que exaspera
o teu na longa espera

josé félix

1:32 da tarde  
Blogger Amaral said...

Voltaste com um poema vibrante, onde se enleia o desejo, a paixão, a loucura. O corpo e a alma em desenhos abençoados, numa estrada alaranjada com alcatifa de relva…

2:23 da tarde  
Blogger lique said...

Eis-te, de novo! E com que força, com que paixão... :) Lindo.
Beijinhos

3:26 da tarde  
Blogger lusoblogger said...

Um belo poema ao amor...

adorei!

beijos

3:30 da tarde  
Blogger manuel said...

que beleza de pepitas de chocolate!
apenas superada nessa sugestiva "fusão" de abrir de joelhos...

gostei muito. beijos.

4:09 da tarde  
Anonymous Hélder Durão said...

Olá Betty!
O poema está espectacular! Gostei muito!
Beijos.

9:29 da tarde  
Blogger segurademim said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

1:02 da tarde  
Anonymous Neith said...

Soberbo este teu poema!!! Um beijo enorme :)

2:49 da tarde  
Blogger zé das loas said...

belo poema. Adorei. beijos

3:51 da tarde  
Blogger Arion said...

Cá estou a devolver a visita. Lindo texto!

3:55 da tarde  
Blogger sotavento said...

Entre doce e salgado, o teu regresso!... :)

4:15 da tarde  
Blogger Desambientado said...

Mais um poema, mais sentimentos que teimam em florescer e criar beleza, porque não mesmo, inveja.

9:49 da tarde  
Blogger ognid said...

Regressas no teu melhor :) bjs

10:36 da tarde  
Blogger legivel said...

Gostei de te rever um rosto de outros tempos, lá pelo Legível.

(antes Porquinho da India)

Beijos.

12:03 da manhã  
Blogger Thiago Forrest Gump said...

Já agora vou reparar minha injustiça.

Là où j'étais avec la tête! :)

12:12 da manhã  
Anonymous T. said...

regresso em pleno. gostei de ler!

12:38 da manhã  
Blogger Flor said...

adorei ..lindissimo poema!
beijo grande

4:09 da tarde  
Blogger A Rapariga said...

Eis-me de novo tentando juntar os pedaços de mim e de ti...refazendo percursos.

Gostei muito!
Beijos

9:28 da tarde  
Anonymous Chandra said...

Lindo, adorei muito! Estou ficando fã de seu blog!

2:33 da manhã  
Anonymous Chocolover said...

Não "te" conhecia.

Gostei do que li e vou continuar a ler ... :)

4:18 da tarde  
Blogger Aran said...

Está fantástico!!! Adorei, beijinhos e um bom fim de semana!

10:04 da tarde  
Anonymous mar_praia said...

Não conhecia este cantinho e fiquei com uma certeza, vou vir cá muitas mais vezes! Adorei as tuas palavras!

Beijinhos e bom fim-de-semana!

12:58 da manhã  
Blogger falcato said...

mas quem te disse
vida de curvas e rectas
que nas estradas suas filhas
não se encontram alaranjadas
e doces caminhadas?
nos seus carreiros
que num misto de tudo em paz
se encontram poderes superiores
e sentires sem par:
devassidão e angelidade em uníssono
numa canção de amar.


pobres as minhas palavras que homenegeiam os teus escritos de alma.


Adorei :-)

1:21 da tarde  
Anonymous henrique doria said...

Li um comentário teu a um texto do Zé Duarte sobre o casamento de homossexuais.Entendo que é ridículo, assim como o casamento entre heterossexuais começa a ser anacrónico.Quanto à diferença de prazos para casamentos após o divórcio, os juristas nem são tão retrógrados nem tão estúpidos como tu pensas. Há um problema de direitos de paternidade a prevenir, para além da questão moral da substituição de um marido por outro que deverá sempre existir para quem opta pelo casamento. Como a lei tem de presumir que o marido é o pai da criança, e a criança tem um tempo de gestação conhecido, haver dois estados de casado durante o período de gestação levaria a conflitos que tu nem imaginas. Beijos.

9:28 da tarde  
Blogger JPD said...

Belíssimo!
Bjs

4:10 da tarde  
Blogger JL said...

É o retomar do percurso. A vida é isso mesmo: seguir em frente e nas quedas buscar energias para a viagem que nos chama.

7:13 da tarde  
Blogger AS said...

Betty, um belissomo poema!... É um prazer ler-te...

Bjss

10:34 da tarde  
Blogger Estrela do mar said...

...ó @miga...ainda bem que continuas a deliciar-nos com a tua bela escrita...porque por mais incrível que pareça e nos doa...a vida continua...


Jokinhasssssssss

6:35 da tarde  
Blogger Bill Stein Husenbar said...

Belissimo...

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

10:43 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home