Desfolhada

Os textos que nunca tinha tido coragem de escrever... © Reservados todos os direitos de autor dos textos e poemas

sexta-feira, janeiro 20, 2006

Eleger



Tenho os braços e o regaço
unidos num mesmo gesto oferecido
nesta pausa de sonhos e lutas
contra moinhos
recuperada das cicatrizes da alma
pintando túlipas de luz no meu coração
multiplico o amor e divido a humildade
em riscos escritos para ti
ninguém será criticado por escrever
para evitar a loucura
entre a falta de lucidez dos outros

quero fazer revoluções sem violência
onde a paz social não é íntima do vencimento-gorjeta
vejo no país a solidão dos aprendizes
que discutem sabedoria com os sábios
é escassa esta bagagem dos que inventam verdades
que trocam a cama da miséria emocional
pela calma luxuosa do poder

vem comigo oxigenar a alma no sol
quero sentir-me extraterrestre
e cobrir-me de ti

21 Comments:

Blogger wind said...

Fabuloso! beijos

12:45 da tarde  
Anonymous Neith said...

Palavras escritas com mestria e que ganham voz ... pujante este teu post! Beijinhos :)

12:55 da tarde  
Anonymous Maria Papoila said...

Tantástico apelo ao voto! "Multiplico o amor, e divido a humildade!". MUITOS PARABÉNS! Beijo

4:54 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

está um espanto que bem que escreves, vamos votar no amor!!!
do teu Infante

5:07 da tarde  
Anonymous morfeu said...

...que eu tenha dado conta, já somos três amantes do poema a escrever neste presenciável momento...vi o Orca, do sete-mares, segui-lhe o exemplo, e, agora descobri aqui esta pequena onda de poetantes...quantos mais haverá por aí, sonhadores da utopia, do impossível político?...ah estes loucos das palavras...
Um abraço largo do Morfeu

7:51 da tarde  
Blogger Desambientado said...

Apelo subtil, carinhoso, democrático.

Fantástico.

10:54 da tarde  
Blogger sotavento said...

Lindo!... :)

12:58 da tarde  
Anonymous Magia said...

Adorei ler-te nas entrelinhas, fabulosa forma de escrever...obrigada pela visita ao meu cantinho mágico. Enacantamentos mil

1:17 da tarde  
Anonymous charlie said...

"...É escassa esta bagagem dos que inventam verdades
Que trocam a cama da miséria emocional
pela calma luxuosa do poder.

Vem comigo oxigenar a alma ao sol
Quero sentir-me extraterrestre
e cobrir-me de ti."

Eu que sempre troquei tudo pela emoção, fiquei completamente coberto pelas tuas palavras...

1:53 da tarde  
Blogger JL said...

Espectacular. Belíssimo jogo de palavras. Bom fim de semana.

Vou continuar a minha reflexão.

Beijos

2:20 da tarde  
Blogger Zeak said...

Gostava de te ter no Plagiadíssimo, mas como não deixas paciência.
fica bem

5:03 da tarde  
Blogger menina graça said...

Menina Betty, isso é o que eu chamo um poemão! Deveria ser possível salvar este país pelo amor, pelo sonho. Eu vou fazer o que posso, amanhã.

10:23 da tarde  
Anonymous T. said...

tão subtil! gostei.

8:34 da tarde  
Blogger Amaral said...

Um coração português anseia a diferença, reclama o melhor que, cada vez mais, se torna utopia e confusão.
O poema está fluente e cuidado. Gostei de vir aqui ler…

12:53 da manhã  
Blogger Nilson Barcelli said...

Superior, é o mínimo que eu posso dizer acerca da tua escrita.
A tua poesia é sólida como uma rocha e leve como uma pena. Gritas verdades que se lêm como que a flutuar.
Por exemplo: "vejo no país a solidão dos aprendizes que discutem sabedoria com os sábios".
Beijinhos e boa semana.

3:26 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Faço minhas as tuas palavras ( as que deixaste lá no sítio ). Gosto muito. Beijo. MONALISA

9:24 da tarde  
Blogger JPD said...

Muito bonito!
Bjs

11:13 da tarde  
Anonymous ferrus said...

Que dizer desse jardim de palavras?
Sinto-me menor ao ler-te e por mais sol que me falte, a alma oxigenada ficou. Votar com o coração, de coração aberto...criar revoluções sem guerra, sentir amor nas cores da bandeira...Sim! Estou oxigenado, embora me vicie nesta cura que me ofereces ao espírito! Beijinhos imensos e obrigado!!!

4:59 da tarde  
Anonymous Carlos said...

OFEREÇO UMA ROSA

A quem me deu perfume,
A quem me deu sentido,
A quem só me fez bem,




Ofereço uma rosa,

Aqueles que sorriram comigo,
Aqueles que comigo partilharam lágrimas
Aqueles que souberam da minha existência

Ofereço uma rosa

Aos nobres do sentir
Aos ricos do viver
Aos imperadores do amor.

Ofereço uma simples rosa

Aqueles que simplesmente foram amigos
Que ternamente fizeram do silêncio sair sons,
Que riram comigo



me olharam, e me sentiram

Ofereço a minha rosa,


A Ti pois és realmente interessante!!

12:21 da tarde  
Blogger Å®t_Øf_£övë said...

Belas palavras, com uma bela analogia ao dia das eleições.
Bjs.

10:25 da tarde  
Blogger digoeu said...

muito bonito.
;)

11:59 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home